Estacas Pré-Fabricadas para obras Portuárias

Estacas Pré-Fabricadas para obras Portuárias

Estacas pré-fabricadas para obras portuárias vêm sido utilizadas há muitos anos, sendo uma ótima solução de fundações.

Por exemplo, na região portuária de Santos estacas moldadas “in loco” não tem condições de atravessar as camadas de argila marinha que compõem o subsolo.

Entretanto, a estaca a ser usada em obras portuárias precisa garantir a impermeabilidade com o objetivo de preservar a armadura da possível corrosão devido à elevada concentração de sais nesses locais. Os íons presentes na água do mar (cloretos) formam uma ponte salina, possibilitando o fenômeno de oxirredução entre o ar e os metais expostos a estes ambientes, principalmente com a movimentação das marés.

Segundo Adam M. Neville em seu livro “ Propriedades do Concreto” para evitar a corrosão da armadura de estruturas de concreto devem ser observados alguns aspectos:

  • O cobrimento da armadura é um fator importante de controle da movimentação dos íons de cloreto, entretanto o cobrimento tem limite superior para não provocar fissuração;
  • O concreto deve ter relação água/cimento abaixo de 0,5;
  • A maior a resistência do concreto reduzirá a penetração de sais;
  • O cuidado para evitar fissuras.

Para solucionar esse problema a Protendit produz estacas especiais, com aumento de cobrimento dos estribos para 3 cm (a ABNT - NBR 16258 - Estacas pré-fabricadas de concreto, recomenda apenas 2cm), concreto com relação água/cimento igual a 0,43 , fck > 40 Mpa e protensão para evitar fissuração, ou seja, estacas impermeáveis e com as armaduras protegidas.

Na região do porto de Santos o solo é composto de camadas de areia e camadas de argila marinha, até que se encontra a camada onde a estaca pode se apoiar. Para atravessar as camadas de areia temos problemas de tração na estaca quando a ponta entra na camada de argila marinha e o restante está “preso” na camada de areia. Assim a estaca tem que estar dimensionada para resistir a esta tração.

Entretanto, como as espessuras das camadas são variáveis ao longo do porto é necessário analisar cuidadosamente as sondagens para cada obra específica antes do dimensionamento das estacas.

Em alguns locais a cravação de estacas exige jato d’água ou pré- furos preenchidos de bentonita.

Como exemplo de perfis geotécnicos diferentes ao longo do Porto de Santos, apresenta-se aqueles de algumas obras executadas pela Protendit:

  1. Granel Química- Alemoa
    Perfil Geotécnico: Camada inicial de aterro de areia fina com índices de SPT baixos por 5 metros, camada de argila marinha por 25 metros, camada de areia fina e média pouco argilosa pouco compacta por 4 metros, novamente camada de argila marinha e finalmente camada de areia fina pouco argilosa compacta a muito compacta onde deve apoiar a estaca.

  2. Teaçu Armazéns Gerais – Armazém 19
    Perfil Geotécnico: Camada inicial de aterro com matacões com 8 metros de profundidade e no qual de 23 furos de sondagem à percussão SPT só 5 furos conseguiram atravessar o que também iria acontecer com estacas à percussão.
    Em seguida vem uma camada de areia compacta, com espessura de 4 a 5 metros com índices de SPT muito altos, o que provavelmente necessitaria de jato d’água.
    Diante desta situação resolveu-se fazer um pré-furo atravessando as duas camadas preenchendo-os com bentonita.
    Após esta camada as estacas atravessam extensa camada de argila marinha muito mole , até se apoiarem em solo residual à profundidade de aproximadamente  45 metros.

  3. ADM- Armazém 39
    Camada inicial até 10 metros de aterro, argila marinha e areia fina pouca a medianamente compacta, sem problemas para a cravação de estacas.
    Entre 10 metros e 17 metros, camada de areia fina siltosa, compacta a muito compacta o que obrigou a Protendit a reforçar as estacas para tração e compressão.
    Após esta camada o solo é constituído de argila marinha mole, areia siltosa medianamente compacta até os 40 metros com camada de areia siltosa muito compacta onde as estacas apoiaram.
    É importante ressaltar que as estacas diam. 45cm foram utilizadas para 140 toneladas, fato que os testes de prova estática e dinâmica comprovaram.

  4. Conclusão
    O perfil geotécnico do Porto de Santos é constituído de aterros, às vezes com matacões, argilas marinhas, as quais tendem a cicatrizar (set up) aumentando a capacidade de carga das estacas, areias argilosas, pouco argilosas, siltosas, de fofas até muito compactas.
    Como confirmado pelos exemplos apresentados essas camadas são variáveis ao longo do Porto, sendo necessário o estudo geotécnico para cada nova obra.

Qualquer dúvida, o departamento técnico da Protendit estará à disposição sem qualquer custo: (11) 2997-2133.

http://www.protendit.com.br/

Eurico Leite Carvalhaes Filho - [email protected]

Alexandre Vasconcellos - [email protected]

 

Tags: ,